Os “índios” que prosperaram

O Museu de História natural de Yokohama foi construído próximo ao sítio arqueológico da cidade, onde  moradias pré-históricas foram reconstruídas sobre suas ruínas de 4 mil anos atrás. Em seu livro Japão História e Presente, José Yamashiro relata a presença humana no arquipélago há 240 mil anos.
O Museu de História natural de Yokohama foi construído próximo ao sítio arqueológico da cidade, onde moradias pré-históricas foram reconstruídas sobre suas ruínas de 4 mil anos atrás. Em seu livro Japão História e Presente, José Yamashiro relata a presença humana no arquipélago há 240 mil anos.

O termo “índio” é um topônimo, substantivo derivado da localidade “Índia”, país da Ásia, herdeiro da civilização dos rios Indu e Ganges, berço de algumas das culturas mais antigas da Humanidade. Os povos autóctones da América, então um “novo mundo” para a exploração mercantilista, foram chamados de “índios” pelos navegantes ibéricos que, é dito, os confundiram com populares indonésios das ilhas do tempero do sudeste asiático.

Ainda no estágio da coleta de alimentos ou agricultura simples, estes povos nativos assistiram à invasão de seus territórios. Em desvantagem tecnológica, desprovidos de organização militar ou armas para defesa, as civilizações pré-colombianas dos incas, astecas, maias e milhares de nações indígenas da América e Oceania foram facilmente dominadas, em seguida escravizadas e completamente dizimadas pelas potências europeias, primeiro a Espanha, depois a Inglaterra.

Nos territórios que hoje são os Estados Unidos, a Austrália e o Brasil, atualmente o que resta dos seus povos nativos são apenas lendas e pesquisas antropológicas e, no Brasil, um cínico feriado nacional em sua homenagem, o dia 19 de Abril.

Como seria a hipótese de um destes povos nativos de sua terra ficasse isolado do contato com a barbárie europeia?

Essa foi a sorte que teve o Japão. E, assim como na Idade Média europeia, as disputas políticas entre os diferentes feudos propiciou progresso militar e desenvolvimento de artes marciais como a esgrima, códigos de ética e, mais tarde, com o total fechamento do país, o desenvolvimento interno elevou a vida dentro da sociedade japonesa do período Edo ao estado de arte.

O termo nação é erroneamente utilizado como mero sinônimo de país. Na verdade, sob a égide da mesma família imperial há quase 2700 anos, o Japão é a única nação do primeiro mundo. Uma monarquia parlamentarista frente a frente ao momento mais decisivo de sua história: o fim do período pós-guerra, quando as potências europeias tentaram destruí-la, física e moralmente. Um povo que compartilha o território como uma grande família, com honra ao mérito e pouquíssima corrupção.

Republicar material do website yukionews.wordpress.com sem informar seus autores é violação da lei internacional de direitos autorais. Para assegurar sua permissão, por favor, entre em contato conosco.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s